Notícias

Saiba como desenvolver a matemática para crianças com deficiência intelectual

Todo trabalho dentro da educação especial deve ser baseado no lúdico e no concreto.
bio-eduarda-zeglin
Eduarda Zeglin
Jornalista, Assistente de Comunicação, Marketing e Eventos
Publicado em
matemática DI

Aprender matemática pode muitas vezes não ser uma tarefa fácil, principalmente para as crianças com deficiente intelectual. Muitos podem ter a percepção de que elas não são capazes de aprender, mas, na verdade, elas podem desenvolver habilidades com apoio de materiais manipuláveis e atendimento educacional especializado. 

A matemática ensinada para crianças com deficiência intelectual requer uma forma de aprendizagem diferenciada, é o que conta Angela Jorge, professora que atua há 30 anos na instituição. A profissional já trabalhou como pedagoga e professora em algumas escolas da Apae, e hoje exerce a sua profissão como professora regente na escola Luan Mueller. 

Angela explica que deve se ter um cuidado especial na hora de introduzir questões relacionadas às matérias, e na matemática não é diferente. Após as crianças entrarem no ensino fundamental é importante que o professor aplique as áreas do desenvolvimento antes de dar início ao conteúdo. 

Trabalhar questões como lateralidade, movimento, esquema corporal, noção temporal, cores e formas são alguns dos pré-requisitos fundamentais que devem ser colocados em prática antes de dar início a matemática propriamente dita. A profissional conta que em alguns casos, dependendo da deficiência, eles não têm a noção de que ocupam um lugar no espaço, e ao desenvolver essas temáticas as crianças conseguem ter uma percepção melhor sobre os números e outras questões que envolvem a disciplina. 

É comum os alunos apresentarem desinteresse no estudo e para que eles possam continuar se desenvolvendo, a profissional diz que é importante cativá-los, e ter o compromisso de acolher as crianças e aceitar elas com suas diferenças. ”quando ela se sente acolhida já é o primeiro passo, mas existem casos da educação especial que a criança não vai mesmo aprender, ela pode até aprender e desenvolver outras habilidades, mas não vai saber fazer uma conta,” diz. 

Todo trabalho dentro da educação especial deve ser baseado no lúdico e no concreto, ”O professor da educação especial tem que ser persistente, ele tem que ter tolerância à frustração. Para mim é um desafio, mas é um desafio que eu enfrento com amor e prazer,” conta. 

Sair da rotina básica e tradicional de ensino e trazer conteúdos através de jogos, facilita muito a compreensão do estudante e traz cada vez mais resultados significativos. O material dourado, dominó, numerais confeccionados de outras formas, são alguns exemplos de elementos que ajudam no processo de aprendizagem. 

Além disso, é essencial que o professor tenha conhecimento sobre o aluno, afinal cada criança tem as suas dificuldades e devem ser trabalhadas em sua singularidade, direcionando as atividades corretas e propondo aquilo que de fato a criança consiga compreender.

A Escola Luan Muller

A Escola Luan Muller, Ensino Fundamental, Modalidade Educação Especial, atende estudantes na faixa etária de 6 a 16 anos com deficiência intelectual e múltiplas. No espaço educacional, o trabalho é voltado para a construção da autonomia e da autoestima, através de atividades das áreas do desenvolvimento e conhecimento, necessárias no processo de alfabetização, dentro dos conteúdos da base Curricular Nacional e da proposta pedagógica “Desafios do Aprender”. Conheça as escolas clicando AQUI.

Endereço: Rua Prof. João Argemiro Loyola, 220 – Seminário, Curitiba – PR

Contato: (41) 3244-9166

Notícias Relacionadas

Benefícios gerais da atividade física no TEA

Descubra os benefícios da prática de atividades físicas para crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA), aprenda a superar desafios específicos e conheça as atividades mais recomendadas para essas crianças.

Sem mais notícias por enquanto!
Pular para o conteúdo