Notícias

Conheça Arik Ancelin, um rapper com síndrome de Down

Jovem inspira público com Down a demonstrar seus talentos.
Logo Apae Curitiba
Redação Apae
Publicado em
Repper

Um jovem de 19 anos com síndrome de Down está impressionando o mundo da música. Arik Ancelin, nasceu nos Estados Unidos e busca encorajar a sua comunidade e fazer crescer a causa social. Para o cantor a pessoa com deficiência (PcD) não deve deixar sua condição atrapalhar suas atitudes e abalar seus desejos. “Eu quero ser um dos maiores rappers com deficiência do mundo e ser uma inspiração para todos os tipos de pessoas”, disse ao portal Fox35.

Em janeiro deste ano, Ancelin lançou uma nova música,“True Colors”, em parceria com o Dj Nitti. O som, além de ser envolvente, ajuda outras PcD a se encorajarem e irem atrás dos sonhos. A música fala sobre querer ser diferente e foi performada pela primeira vez em uma noite em Orlando, nos Estados Unidos.

Esse momento foi muito importante e emocionante já que, segundo o artista, se apresentar para uma plateia tão grande fazia parte da realização de um sonho pessoal. Ancelin disse estar feliz pela mensagem, em “True Colors”, ter chegado a muitas pessoas e, em suas redes sociais, contou que foi a melhor noite de sua vida.  “Muito obrigado por todos que me apoiaram para fazer uma música com o DJ Nitti.”

O rapper já está no seu terceiro álbum e possui mais de 1,5 milhão de seguidores no TikTok. “Você pode ser diferente, eu só quero que meu público possa ir atrás de seus sonhos e que possam ser felizes consigo mesmo”, disse ao portal Jamn1075.

A síndrome de Down

A SD não é uma doença, mas sim uma mutação do material genético. Começa na gestação quando as células do embrião são formadas com 47 cromossomos, sendo que o mais frequente são 46. “Nada mais é que a trissomia do cromossomo 21. Quando esperma se junta ao óvulo, há essa divisão celular e os cromossomos seguem em par, e o cromossomo 21, não se sabe a causa, segue em trio”, disse a presidente da Associação Reviver Down, Regiane Gimenez Mendonça a um episódio do Apaecast.

Segundo o site Tua Saúde, o diagnóstico da síndrome pode ser feito já na gravidez, por meio de exames recomendados pelo obstetra quando a mãe possuir mais de 35 anos ou ter Down. Caso a mãe já tenha um filho com a síndrome ou se o pai tem alguma mutação no cromossomo 21, o diagnóstico pode ser solicitado.

Confira alguns cuidados na cartilha “Diretrizes de Atenção à Pessoa com Síndrome de Down” do Ministério da Saúde.

aluna do CEDAE

A estimulação realizada nos primeiros anos de vida pode ser determinante para a aquisição de capacidades em diversos aspectos, como o desenvolvimento motor, a comunicação e a cognição. Muitos exercícios podem ser feitos em casa, no dia a dia, usando elementos do cotidiano da criança. 

Não deixe de doar! Ajude a Apae Curitiba através da sua conta de luz

Você sabia que uma das formas de doar para Apae Curitiba é através da sua conta de luz? Isso mesmo. Basta entrar em contato com a Copel pelo telefone 0800 722 2723 e informar que quer fazer uma doação para a instituição do valor desejado. O valor que você escolheu será direcionado a instituição que será cobrado na sua próxima fatura. Não esqueça de estar com documentos em mãos para que eles possam confirmar sua identidade. Não deixe de doar! Existem maneiras simples e fáceis para você colocar sua generosidade em prática. Entre em contato agora mesmo com a Copel solicitando sua doação. Contamos com você. Saiba mais clicando AQUI

Notícias Relacionadas

Benefícios gerais da atividade física no TEA

Descubra os benefícios da prática de atividades físicas para crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA), aprenda a superar desafios específicos e conheça as atividades mais recomendadas para essas crianças.

Sem mais notícias por enquanto!
Pular para o conteúdo