Notícias

Escola Agrícola traz novas práticas de ensino com o Curso de Panificação

O programa está vinculado aos conteúdos curriculares da Educação de Jovens e Adultos.
bio-eduarda-zeglin
Eduarda Zeglin
Assistente de Comunicação, Marketing e Eventos
Publicado em

Assim como a Apae Curitiba, a Escola Agrícola Henriette Morineau compartilha o objetivo de promover a qualidade de vida dos estudantes. Uma das formas de proporcionar uma experiência de aprendizado inovadora para pessoas com deficiência intelectual é por meio do curso de panificação oferecido. Esse curso busca desafiá-los e estimulá-los a explorar novas formas de aprendizagem. 

O curso de panificação acontece desde 2015 e somente durante o período de pandemia de Covid-19 foi realizado de forma remota. A Unidade Ocupacional de Panificação é ministrada pela professora Célia Regina Schmidt de Oliveira e pela instrutora Estephane Julli de Oliveira. As aulas acontecem todas às terças, quintas e sextas-feiras pela manhã. O processo de preparo dos pães depende das doações dos colaboradores, incluindo ingredientes como farinha integral, além dos produtos finais da produção, como pães e bolachas, destinados para consumo interno da escola.

De acordo com o diretor, Mauro Mocochinski, o curso de panificação oferece conhecimentos fundamentais na área, trazendo a prática na panificadora da escola e conteúdo teórico em sala de aula. Além disso, os conteúdos do curso são articulados com o programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA). 

Mauro também fala sobre como a panificação tem contribuído de forma positiva na vida dos estudantes, essa prática faz com que eles desenvolvam habilidades essenciais no manuseio adequado dos alimentos, na leitura e interpretação de receitas, no processo de preparação de alimentos e massas, na higienização do ambiente de trabalho e dos utensílios utilizados. Eles também aprendem sobre a segurança ao utilizar os equipamentos apropriados, organização de mercadorias, produtos, embalagens e balcões, entre outros aspectos. Tudo isso é realizado com o auxílio e supervisão das instrutoras. 

Os pais também são responsáveis por ajudar no desenvolvimento de cada estudante, Mocochinski ainda aponta que não só o incentivo da família em relação ao curso de panificação é fundamental, mas em outras áreas que o aluno possa se interessar. ‘’É importante que os pais levem seus filhos para conhecer diferentes ambientes de trabalho, não só ligados à panificação. Oportunizando a experiência em seu próprio lar, colocando em prática o que eles aprendem na escola, seja receitas de bolachas, doces, bolos e salgados’’, relata. 

Vale destacar que a escola tem como objetivo aprimorar as habilidades dos alunos e prepará-los para futuras oportunidades de emprego. O programa prioriza a educação, oferecendo formação profissional e facilitando a inserção desses indivíduos no mercado de trabalho.

A Escola Agrícola Henriette Morineau

A Escola Agrícola Henriette Morineau, Ensino Fundamental na Modalidade de Educação Especial, tem por objetivo atender especialidades educacionais e funcionais dos estudantes com deficiência intelectual ou múltipla moderada e leve, quanto a sua autonomia pessoal e social, bem como prepará-los para o exercício pleno de seus direitos e deveres, e através de suas unidades ocupacionais, desenvolverem as suas potencialidades com a perspectiva de inserção social e no mudo. Conheça as escolas clicando AQUI.

Endereço: Rua Orlando Perucci, 1472 , no Bairro Butiatuvinha – Curitiba- Pr 

Contato: (41) 3155-7954

Conheça a escola clicando AQUI

Notícias Relacionadas

Nota à Imprensa e a Comunidade

Voltar Notícias Paulo Fortunato Jornalista, Gerente de Comunicação, Markentig e Eventos Publicado em21 de fevereiro de 2024 A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Curitiba vem por

Sem mais notícias por enquanto!
Pular para o conteúdo