Notícias

Método Denver desenvolve as competências cognitivas e sociais das crianças com deficiência intelectual

O método é baseado na ciência ABA e pode ser aplicado nas crianças entre 1 a 5 anos.
Eduarda Zeglin
Estagiária de Jornalismo
Publicado em
Método Denver desenvolve as competências cognitivas e sociais das crianças com deficiência intelectual

O método Denver de intervenção precoce é um modelo de terapia comportamental desenvolvido pelas pesquisadoras Selly Rogers e Geraldine Dawson na Universidade de Denver. Ele traz estímulos, desenvolve as competências cognitivas e abre espaço para a comunicação e socialização das crianças com deficiência intelectual, principalmente as que são autistas. 

Especialistas em Neurociência, como Mayra Gaiato, diz que muitas pesquisas e estudos foram realizados para comprovar a eficácia dessa intervenção, que também foi baseada na ciência de Análise Comportamental Aplicada, mais conhecida como ABA, uma terapia ocupacional utilizada por psicólogos, que possui o objetivo de aprimorar comportamentos socialmente relevantes. O método foi criado especialmente para crianças de um até cinco anos.  

A técnica pode ser aplicada não apenas com um profissional, mas também no dia a dia da criança, como na escola e em casa. O modelo Denver consiste em formar uma criança mais autônoma, independente e consiga aprender com os colegas e familiares, a motivação e a liderança são os principais pilares desse conceito. 

Para otimizar cada vez mais as habilidades dos pequenos, a intervenção é feita de forma intensa, levando de 3 a 4 horas por dia. De acordo com o site instituto neurosaber, o modelo se torna completo e passa a trabalhar cinco eixos de intervenção a partir do momento em que a criança completa um ano de vida. 

O primeiro eixo orienta a criança na percepção social, o qual destaca mecanismos necessários para que os pequenos compreendam e saibam identificar indivíduos, direcionar sobre seus interesses e estimular seu cérebro para identificar, traços, rostos, expressões e a capacidade de percepção social. 

O segundo eixo prioriza a linguagem social e contextual. Já o terceiro estimula atividades que fazem com que a criança consiga entender, se preocupar e ter empatia com o próximo. Trabalha valores como a reciprocidade e o compartilhamento social.

No quarto eixo a criança aprende através de brincadeiras lúdicas, adaptados e fundamentados para estimular a cada uma das faixas etárias. E por último o quinto eixo procura reduzir os sintomas e trazer uma qualidade de vida mais abrangente, seja nos aspectos motores, sociais, de linguagem, adaptabilidade e regras de rotina. 

Em 2012, a Revista Time elegeu o Modelo Denver como um dos dez maiores avanços da medicina. É fundamental que a família esteja presente diante desse processo, pois assim a criança se sente mais segura e as chances de um tratamento mais efetivo são grandes.

Seja um Voluntário da Apae Curitiba

Já pensou em doar algumas horas da sua semana para ajudar aqueles que necessitam? A Apae Curitiba precisa de você. Ser voluntário é uma atividade prazerosa e com espírito de equipe você contribui para o fortalecimento da organização na sociedade. Ficou interessado? Clique AQUI. Será um prazer ter você junto conosco, na causa da pessoa com deficiência intelectual.

Hoje a instituição atende quase 500 estudantes em cinco escolas, oferecendo saúde e assistência social. São realizados, em média, 50 mil atendimentos terapêuticos por ano e 3,5 mil por dia. Por ser uma instituição sem fins lucrativos precisa de apoio da sociedade. O ambiente precisa de reformas e para isso, que tal doar para a Apae Curitiba e apoiar a causa da pessoa com deficiência intelectual ou múltipla? É muito fácil, clique AQUI e saiba mais. 

Para saber mais sobre o Método Denver acesse AQUI.

Notícias Relacionadas

Sem mais notícias por enquanto!
Skip to content