Notícias

Março Azul Marinho: Mês de Conscientização sobre o Câncer Colorretal

Conheça os sintomas, a prevenção, o diagnóstico e o tratamento
Março Azul Marinho: Mês de Conscientização sobre o Câncer Colorretal
Rhúbia Ribeiro
Assistente de Marketing
Publicado em
Imagem ilustrativa. Do lado esquerdo esta escrito: Março Azul Marinho, mês de conscientização e prevenção do Câncer Colorretal. Do lado direito, um laço azul marinho

A Campanha Março Azul Marinho busca alertar a população sobre a conscientização e prevenção do câncer colorretal. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer colorretal é um dos três que mais afeta brasileiros. Ao todo, a doença acomete 40 mil pessoas por ano e, infelizmente, 85% dos casos são diagnosticados em fase avançada, quando a cura é menor. 

Segundo o médico Drauzio Varella, trata-se de “um tumor maligno que se instala no reto do intestino grosso. É o terceiro mais frequente entre os homens, logo após do câncer de próstata e de pulmão”, disse ao Portal Drauzio Varella do UOL. 

Fique atento aos sintomas

Emagrecimento sem motivo; 
Sangue nas fezes; 
Anemias de repetição; 
Cansaço e indisposição sem razão; 
Mudanças nos hábitos intestinais sem motivo (diarreia frequente ou constipação).

Prevenção e Diagnóstico 

A prevenção mais eficaz é o exame de Colonoscopia, que detecta o câncer. Além disso, a retossigmoidoscopia, pesquisa de sangue oculto nas fezes e teste de DNA fecal também ajudam na detecção. Também é possível se proteger através da alimentação e hábitos do cotidiano, como fazer atividades físicas regulares, fazer uma dieta rica em frutas e vegetais, rica em fibras, consumo de leites e derivados, ter níveis de Vitamina D adequados, consumir peixes, etc.  

Quem procurar? 

Em caso de suspeita, é preciso procurar um gastroenterologista Cirúrgico

Tratamento 

Segundo o Instituto de Oncologia do Paraná (IOP), o tratamento depende do tamanho, localização e propagação do câncer. Geralmente, é preciso de uma cirurgia para retirada do tumor, junto a quimioterapia e radioterapia. 

Fontes: Portal Drauzio Varella UOL, Instituto de Oncologia do Paraná (IOP), Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Marília (HCFAMEMA)

Matéria: Rhúbia Ribeiro

Notícias Relacionadas

Sem mais notícias por enquanto!
Skip to content