Notícias

Lei Romeo Mion é um importante passo para o reconhecimento dos direitos dos Autistas. Conheça!

A norma sancionada em 2020, oferece benefícios e traz questões importantes como a identificação da pessoa com o espectro autista.
Eduarda Zeglin
Estagiária de Jornalismo
Publicado em

Foi sancionada em 2020 a Lei 13.977 que estabelece a emissão da Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (CipTEA). A norma leva o nome de Romeo Mion, filho do ator e apresentador Marcos Mion. 

A lei garante que todo o indivíduo com o espectro tenha “atenção integral, pronto atendimento e prioridade no atendimento e no acesso aos serviços públicos e privados, em especial nas áreas de saúde, educação e assistência social”, aponta. Também assegura que sejam reconhecidos, estabeleçam suas condições perante a sociedade, além de dispensar o dever do autista e da família explicar a todo momento a própria condição de pessoa com deficiência.

Algumas modificações foram feitas em relação à Lei Berenice Piana, que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Ela assegura o direito à atenção integral, prioriza o atendimento em estabelecimentos comerciais e mantém o acesso aos serviços públicos e privados, em especial nas áreas de saúde, educação e assistência social.

Em muitos estados e municípios essa prática já foi instituída, a ideia é que a carteira seja válida para todo o país. O texto da lei estabelece diretrizes, como os documentos necessários para obter a carteirinha. Um deles é um requerimento acompanhado de relatório médico com a indicação do código da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID).

De acordo com a nova lei, a carteira será expedida pelos órgãos estaduais, distritais e municipais que executam a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. A Ciptea terá validade de cinco anos e precisa ser reavaliada. Durante o período , o uso da carteirinha não é obrigatório e o documento serve para substituir o atestado médico. A Ciptea apresenta validade de cinco anos, mas a família deve manter a atualização dos dados cadastrais do identificado.

Para saber mais sobre a Lei Romeo Mion acesse AQUI.

Foto: Instagram Marcos Mion (@marcosmion)

Seja um Voluntário da Apae Curitiba

Já pensou em doar algumas horas da sua semana para ajudar aqueles que necessitam? A Apae Curitiba precisa de você. Ser voluntário é uma atividade prazerosa e com espírito de equipe você contribui para o fortalecimento da organização na sociedade. Ficou interessado? Clique AQUI. Será um prazer ter você junto conosco, na causa da Pessoa com Deficiência Intelectual.

Hoje a instituição atende quase 500 estudantes em cinco escolas, oferecendo saúde e assistência social. São realizados, em média, 50 mil atendimentos terapêuticos por ano e 3,5 mil por dia. Por ser uma instituição sem fins lucrativos precisa de apoio da sociedade. O ambiente precisa de reformas e para isso, que tal doar para a Apae Curitiba e apoiar a causa da pessoa com deficiência intelectual ou múltipla? É muito fácil, clique AQUI e saiba mais.

Notícias Relacionadas

Sem mais notícias por enquanto!
Skip to content