Notícias

Filme “Já Fui Famoso” estreia na netflix com personagem e ator autista

Filme traz ator e personagem com autismo.
Filme “Já Fui Famoso” estreia na netflix com personagem e ator autista
Rhúbia Ribeiro
Assistente de Marketing
Publicado em
Imagem do filme

O drama e comédia musical britânico “Já Fui Famoso” foi lançado há poucos dias na Netflix e traz a história de um ex-astro de uma boy band famosa que procura reacender a carreira musical. Para concretizar esse sonho, Vine, interpretado por Ed Skrein, começa a fazer shows nas ruas de Peckham, onde conhece Stevie (Leo Long), um baterista talentoso com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). 

Dirigido por Eddie Sternberg e escrito por Sternberg com Zak Klein, a trama segue uma adaptação do curta-metragem de 2015 de Sternberg que segue uma premissa semelhante, portanto não é inspirada em fatos reais, mas consiste numa expansão do curta. 

O elenco do filme “Já Fui Famoso” conta com um ator que apresenta as mesmas características que o personagem. Neste caso, além de ser músico, Léo Long tem Autismo, que lhe causa distúrbios na fala e na linguagem. 

Gênero: Drama, Comédia 
Direção: Eddie Sternberg 
Roteiro: Eddie Sternberg, Zak Klein 
Elenco: Ed Skrein, Leo Long, Eleanor Matsuura, Eoin Macken, Lorraine Ashbourne, Neil Stuke, Kurt Egyiawan
Duração: 104 minutos

O Autismo

A Secretaria de Saúde do Paraná (SESA) explica que o TEA “é um distúrbio do neurodesenvolvimento caracterizado por desenvolvimento atípico, manifestações comportamentais, déficits na comunicação e na interação social, padrões de comportamentos repetitivos e estereotipados, podendo apresentar um repertório restrito de interesses e atividades”, descreve. 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 70 milhões de pessoas têm o transtorno, o que corresponde a 1% da população mundial. No Brasil, estima-se que existam em torno de 2 milhões de pessoas com diagnóstico positivo para o transtorno que geralmente é identificado entre os dois anos e meio a três anos de idade.

O diagnóstico de TEA é essencialmente clínico, através de observações da criança e entrevistas com os pais. Os sinais podem ser percebidos por volta dos dois a três anos de idade. Dentre as características podemos citar a ausência de contato interpessoal, movimentos repetitivos, perda de contato visual com pessoas do ambiente, comprometimento da compreensão, incapacidade de aprender a falar, pode falar, mas não como ferramenta de comunicação; entre outros. 

Além do auxílio dos pais, o tratamento de TEA envolve uma equipe multidisciplinar, com médicos, psicólogos, fonoaudiólogos, pedagogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e educadores físicos.

Faça um PIX e ajude a Apae Curitiba

Doar ficou ainda mais fácil com a opção PIX. Agora você tem mais essa modalidade, que é muito rápida, prática e segura. Lembre-se, que sua doação vale muito para a Apae Curitiba. Atualmente, são quase 500 estudantes e 35 moradores que recebem atendimentos nas áreas de saúde e assistência social. São realizados, em média, 50 mil atendimentos terapêuticos por ano e 3,5 mil por dia. Por ser uma instituição sem fins lucrativos precisa de apoio da sociedade. Faça um PIX pela chave: doe@apaecuritiba.org.br (Chave

A Apae Curitiba conta com três centros terapêuticos com atendimentos gratuitos às pessoas com deficiência intelectual ou múltipla. A instituição é mantenedora de cinco escolas especializadas localizadas em Santa Felicidade, Batel e Seminário, em Curitiba; e sete Casas Lar. Confira nossas escolas clicando AQUI

Notícias Relacionadas

Sem mais notícias por enquanto!
Skip to content