Notícias

Doenças raras no Brasil: uma realidade para 13 milhões de pessoas

Campanhas de conscientização e o investimento em pesquisas científicas são fundamentais para superar obstáculos em relação à condição.
Logo Apae Curitiba
Redação Apae
Publicado em

No Brasil, enfrentar os desafios relacionados às doenças raras tem sido uma realidade para inúmeras pessoas. De acordo com o Ministério da Saúde (MS), aproximadamente 13 milhões de indivíduos em nosso país são afetados por essas condições de saúde, que frequentemente são pouco conhecidas e apresentam um alto grau de complexidade. Essas enfermidades se caracterizam pela baixa prevalência na população, o que torna o acesso a diagnósticos precisos e tratamentos adequados uma tarefa difícil.

As doenças raras englobam uma ampla variedade de condições, que podem afetar diferentes sistemas do corpo humano. Desde doenças genéticas até distúrbios metabólicos, as pessoas que sofrem dessas condições enfrentam inúmeros desafios, como a falta de informações e recursos especializados. Além disso, muitos pacientes e suas famílias passam por dificuldades financeiras devido aos altos custos dos tratamentos e medicamentos necessários.

A falta de conhecimento e conscientização sobre doenças raras também é um obstáculo significativo. Muitas vezes, os sintomas dessas enfermidades são confundidos com outras condições mais comuns, levando a atrasos no diagnóstico e início do tratamento adequado. Isso resulta em um impacto negativo na qualidade de vida dos pacientes. 

De acordo com o Ministério da Saúde, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece serviços para prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação de pessoas com doenças raras, bem como o tratamento dos sintomas associados a essas condições.

A agência de saúde também aponta que há disponibilidade de 45 medicamentos, tratamentos cirúrgicos e clínicos para doenças raras, além de mais de 70 mil consultas e mais de 560 procedimentos laboratoriais para diagnóstico e tratamento. Esses recursos têm um custo total superior a 4 milhões de reais por ano.

É essencial que haja um esforço conjunto da sociedade, profissionais de saúde e autoridades governamentais para enfrentar os desafios presentes na vida desses indivíduos. As campanhas também são necessárias para dar continuidade a movimentos de conscientização, com isso é possível trazer mais visibilidade dessas condições e melhorar o acesso a serviços de saúde especializados. Além disso, é crucial investir em pesquisas científicas e na formação de profissionais de saúde, a fim de melhorar o diagnóstico precoce e desenvolver tratamentos mais eficazes.

A luta das 13 milhões de pessoas que sofrem com doenças raras no Brasil é uma batalha diária em busca de suporte adequado. É fundamental que todos estejam cientes dessa realidade para garantir que esses indivíduos recebam o apoio necessário para melhorar sua qualidade de vida e construir um futuro mais inclusivo e solidário. 

É importante destacar que a Apae Curitiba desempenha um papel fundamnetal no atendimento as pessoas com deficiência intelectual e múltipla, incluindo aquelas que enfrentam doenças raras. A instituição tem como objetivo fortalecer os serviços nas áreas de saúde e educação, oferecendo suporte por meio de profissionais especializados nas áreas terapêuticas. Além disso, busca proporcionar uma melhor qualidade de vida e promover o desenvolvimento integral dessas pessoas, abrangendo tanto os aspectos pessoais quanto profissionais.

Notícias Relacionadas

Nota à Imprensa e a Comunidade

Voltar Notícias Paulo Fortunato Jornalista, Gerente de Comunicação, Markentig e Eventos Publicado em21 de fevereiro de 2024 A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Curitiba vem por

Sem mais notícias por enquanto!
Pular para o conteúdo