Notícias

Deficiências invisíveis não afetam o corpo físico ou aparência, alerta psicóloga da Apae

Segundo Fernanda de Ramos, as deficiências invisíveis afetam os indivíduos que precisam conviver com elas, abalando muitas vezes a convivência familiar e social.
Logo Apae Curitiba
Redação Apae
Publicado em
deficiências invidíveis

Conviver com nossas diferenças sempre será uma missão para o convívio do dia a dia. Dentro disso, é fundamental identificarmos todas aquelas deficiências que não estão diante de nossos olhos. Essas deficiências não necessitam de aparelhos como cadeiras de rodas, muletas, ou a dependência de qualquer outro objeto.

Fernanda de Ramos, psicóloga da Escola Luan Muller da Apae Curitiba, explica que as deficiências invisíveis correspondem a “doenças que não afetam o corpo físico ou a sua aparência, mas aquelas que os indivíduos precisam conviver e que afetam muitas vezes sua vida e sua convivência familiar e social”, diz. 

Também é compreendido como deficiência invisível, ou não aparente, aquelas que não são observadas a nível físico, como depressão, epilepsia, fibromialgia e dificuldades de aprendizagem. Estas deficiências podem variar entre outras em gravidade ou sintomas.

Para isso é importante ter um acompanhamento contínuo com uma equipe multidisciplinar e o apoio familiar para o fortalecimento emocional. “Os familiares necessitam de orientações e acompanhamentos para poderem dar assistência familiar adequada”, explica. O primeiro passo para ajudar a pessoa é se mostrar aberto, acreditando e dando ouvido ao que ela está dizendo. 

A profissional da saúde reforça que a sociedade coloca os pacientes de diabete e hipertensão sob cuidados, mas deixam doenças emocionais como déficit de atenção, fobias, depressão e fibromialgia, entre outras, sem uma base sólida de apoio social. 

A psicóloga acrescenta que “as doenças invisíveis, apesar de, muitas vezes, não aparecerem fisicamente, podem trazer dificuldades e incapacidades, como, por exemplo, dificuldade de estar em ambientes fechados, isolamento social, aglomerações, entre outros.”

Faça um PIX e ajude a Apae Curitiba

Doar ficou ainda mais fácil com a opção PIX. Agora você tem mais essa modalidade, que é muito rápida, prática e segura. Lembre-se, que sua doação vale muito para a Apae Curitiba. Atualmente, são quase 500 estudantes e 35 moradores que recebem atendimentos nas áreas de saúde, educação e assistência social. São realizados, em média, 50 mil atendimentos terapêuticos por ano e 3,5 mil por dia. Por ser uma instituição sem fins lucrativos precisa de apoio da sociedade. Faça um PIX pela chave: [email protected]

A Apae Curitiba conta com três centros terapêuticos com atendimentos gratuitos às pessoas com deficiência intelectual ou múltipla. A instituição é mantenedora de cinco escolas especializadas localizadas em Santa Felicidade, Batel e Seminário, em Curitiba; e sete Casas Lar. Confira nossas escolas clicando AQUI

Texto: Arthur Borsato 

Notícias Relacionadas

Nota à Imprensa e a Comunidade

Voltar Notícias Paulo Fortunato Jornalista, Gerente de Comunicação, Markentig e Eventos Publicado em21 de fevereiro de 2024 A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Curitiba vem por

Apae Curitiba implementa sistema de ouvidoria

Os integrantes da comissão de ética serão responsáveis por definir os procedimentos de conduta em relação às denúncias que surgirem, conduzindo o processo de maneira transparente e responsável.

Sem mais notícias por enquanto!
Pular para o conteúdo