Notícias

Crianças e jovens com deficiência são mais suscetíveis à violência aponta estudo

O bullying é uma das violências sofridas e deve ser combatida principalmente no ambiente escolar.
bio-eduarda-zeglin
Eduarda Zeglin
Assistente de Comunicação, Marketing e Eventos
Publicado em

O preconceito e a violência contra crianças com deficiência intelectual continua sendo um problema recorrente em nossa sociedade, e uma das formas de violência enfrentadas por elas é a prática de bullying.

O bullying pode assumir várias formas, como ridicularização, exclusão social, agressões verbais e físicas, além de outros comportamentos hostis e humilhantes. Essas ações são extremamente prejudiciais e trazem um impacto profundo na vida dessas crianças, afetando seu bem-estar emocional, autoestima e desenvolvimento social.

De acordo com uma matéria publicada pela CNN Brasil, uma pesquisa feita pela The Lancet Child & Adolescent Health alerta para o caso, o estudo foi realizado entre 1990 e 2020, envolvendo mais de 16 milhões de indivíduos de 25 países, incluindo o Brasil. 

A pesquisa ainda apontou que jovens que apresentam transtornos mentais e deficiências cognitivas ou de aprendizagem, como transtorno de déficit de atenção, hiperatividade e autismo, por exemplo, são particularmente mais vulneráveis à violência. 

Muitas dessas práticas também são recorrentes nas escolas, medidas como realização de campanhas e projetos de prevenção e conscientização sobre o bullying devem ser adotadas, pois tornam a informação cada vez mais presente no dia a dia dos alunos, assim conseguem ter a percepção e a dimensão sobre as causas dela na vida de outros colegas. 

Allane Cardoso, psicóloga que atua na escola Luan Muller da Apae Curitiba, diz que a família também exerce um papel fundamental durante esse processo, é preciso estar atento aos sinais que as crianças dão. A partir do momento em que eles se encontram vulneráveis e apresentam comportamentos como baixa autoestima, isolamento, ansiedade ao estar prestes a ir para a escola ou local em que possa estar sofrendo bullying, comportamento agressivo, alteração de sono, e até mesmo sintomas físicos, como enjoo, dor de cabeça e suor excessivo deve-se procurar ajuda. 

Em casos onde a criança seja vítima de bullying dentro da escola é preciso que a equipe multidisciplinar se reúna com a família para que juntos, possam desenvolver estratégias de enfrentamento para a situação. Cardoso destaca que ‘’a relação entre família e escola é de total importância para que seja feito o melhor pela criança. Somente com a colaboração de todos, o aluno será beneficiado integralmente, pois terá auxílio e suporte em todas as áreas de sua vida,’’ relata a psicóloga. 

É importante abordar o tema do bullying de forma transparente na sala de aula, trazendo situações reais e exemplos que os alunos possam compreender. A especialista conta que muitas vezes, para os alunos que praticam o bullying, essas ações são apenas como brincadeiras inofensivas. No entanto, é fundamental que eles tenham o apoio de profissionais da educação capacitados para promover uma troca assertiva e possibilitar o conhecimento sobre esse assunto.

Ao trazer o tema para a sala de aula, os alunos têm a oportunidade de refletir sobre suas atitudes, desenvolver empatia e compreender a importância do respeito mútuo. Discussões abertas, atividades educativas e ações de conscientização podem contribuir para a construção de uma cultura de respeito e solidariedade entre os estudantes.

Allane, além disso, compartilha algumas dicas importantes para ajudar as crianças a entenderem a condição das pessoas com deficiência e evitarem atos de violência.

Uma das dicas é criar situações de interação social, proporcionando oportunidades para que as crianças conheçam e desmistifiquem tabus relacionados à deficiência. Isso pode ser feito por meio de atividades conjuntas em sala de aula, jogos inclusivos ou projetos que envolvam a participação de todos os alunos.

Outra medida fundamental é investir na formação dos professores, para que eles tenham informações seguras e precisas sobre as necessidades específicas de cada criança com deficiência. Dessa forma, poderão desenvolver estratégias adequadas, garantindo a inclusão e a participação plena de todos os alunos.

É essencial explicar de forma clara e transparente aos estudantes sobre os tipos de ajuda que uma pessoa com deficiência pode precisar. Assim, seus colegas de classe poderão desempenhar o papel de apoiadores, incentivando a amizade, o respeito e a empatia entre eles.

Promover a conscientização e a compreensão da diversidade desde a infância é fundamental para construir uma sociedade mais inclusiva e respeitosa. Ao adotar essas medidas, as escolas podem criar um ambiente em que todas as crianças se sintam valorizadas, independentemente de suas habilidades e limitações.

A colaboração entre os alunos em prol de um objetivo comum, que é a inclusão, fortalece os laços de amizade e ajuda a eliminar estigmas e preconceitos. Ao trabalhar em conjunto, as crianças aprendem a importância da diversidade, da tolerância e do respeito, construindo uma base sólida para uma sociedade mais inclusiva no futuro.

Vale ressaltar que todos têm o dever de serem tratados com respeito e dignidade, independentemente de suas habilidades intelectuais. Ao combater o bullying com crianças com deficiência intelectual, estamos construindo uma sociedade mais inclusiva, onde todas as crianças sejam acolhidas.O preconceito e a violência contra crianças com deficiência intelectual continua sendo um problema recorrente em nossa sociedade, e uma das formas de violência enfrentadas por elas é a prática de bullying.

Ajude a Apae Curitiba com suas Notas Fiscais

A Apae Curitiba disponibiliza urnas de coleta para notas fiscais em instituições parceiras. Quando o cliente não informa seu CPF é possível deixá-las dentro da urna como forma de doação. Nós passamos recolhendo periodicamente e lançamos no sistema do Nota Paraná e, assim, conseguimos recolher o valor dos impostos e reverter em doação para ajudar com os custos da instituição. Se você tem um comércio, entre agora mesmo em contato conosco e informe seu desejo de nos ajudar que levaremos até você uma urna de coleta. Contamos com sua ajuda. Muitas vidas podem ser impactadas através dessa sua atitude. Saiba mais clicando AQUI

Hoje a instituição atende quase 500 estudantes em cinco escolas, oferecendo saúde e assistência social. São realizados, em média, 50 mil atendimentos terapêuticos por ano e 3,5 mil por dia. Por ser uma instituição sem fins lucrativos precisa de apoio da sociedade. O ambiente precisa de reformas e para isso, que tal doar para a Apae Curitiba e apoiar a causa da pessoa com deficiência intelectual ou múltipla? É muito fácil, clique AQUI e saiba mais. 

Notícias Relacionadas

Nota à Imprensa e a Comunidade

Voltar Notícias Paulo Fortunato Jornalista, Gerente de Comunicação, Markentig e Eventos Publicado em21 de fevereiro de 2024 A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Curitiba vem por

Sem mais notícias por enquanto!
Pular para o conteúdo