Notícias

Estudos apontam que 80% dos casos de fertilidade em casais com Síndrome de Down trazem alterações genéticas

É preciso que o casal esteja ciente e mantenha a decisão em conjunto.
bio-eduarda-zeglin
Eduarda Zeglin
Jornalista, Assistente de Comunicação, Marketing e Eventos
Publicado em
fertilidade em casais com Síndrome de Down t

Para muitos a Síndrome de Down é conhecida como uma doença, mas, na verdade, ela é apenas uma deficiência causada por uma variação genética. Isso configura algumas características peculiares que podem trazer alguns questionamentos, como a fertilidade, por exemplo.

Estudos apontam que homens com Síndrome de Down são inférteis, mas isso não é comprovado cientificamente, afinal já ocorreram casos em que a paternidade foi confirmada. Pesquisadores indicam que a infertilidade pode estar ligada a deficiências hormonais, além de fatores psicológicos e sociais. O cromossomo 21 também afeta a capacidade de reprodução da pessoa com Down, acredita-se que a infertilidade seja consequência de menos espermatozoides e de uma maior lentidão em sua movimentação, dificultando a ocorrência da fecundação. 

De acordo com o portal Incluo, pelo menos 50% das mulheres com síndrome de Down ovulam e são férteis, mas existem chances da criança também desenvolver a trissomia ou outras deficiências ao decorrer do desenvolvimento, além de apresentar mais chances de aborto espontâneo e nascimentos de bebês prematuros.

Um casal pode ter filhos mesmo que ambos tenham Síndrome de Down, mas as chances são maiores de apresentarem alterações genéticas, sendo 80%, e se apenas um dos dois tiverem Down é 50% de chance que a criança tenha trissomia. Em pessoas que não apresentam a síndrome, a chance de a criança nascer com o cromossomo a mais é de um para cada 700 pessoas.

Mesmo com todas as barreiras e obstáculos enfrentados pelas pessoas com SD, a questão da reprodução ainda é um tabu e gera certas preocupações, afinal os riscos genéticos estão presentes e podem afetar o convívio familiar. 

Embora a fertilidade entre os dois seja comprovadamente reduzida, especialistas aconselham que os casais tomem os devidos cuidados e caso queiram ter filhos, mantenham a decisão em conjunto, afinal uma criança com síndrome de Down requer cuidados e atenções diferentes, sendo necessário o acompanhamento de especialistas envolvidos em todos os pilares e aspectos da vida das crianças. Além de oferecer boas condições para terem uma educação de qualidade e voltada para suas dificuldades e limitações, assim tendo uma vida mais inclusiva e com oportunidades efetivas.

Seja um Voluntário da Apae Curitiba

Já pensou em doar algumas horas da sua semana para ajudar aqueles que necessitam? A Apae Curitiba precisa de você. Ser voluntário é uma atividade prazerosa e com espírito de equipe você contribui para o fortalecimento da organização na sociedade. Ficou interessado? Clique AQUI. Será um prazer ter você junto conosco, na causa da pessoa com deficiência intelectual.

Hoje a instituição atende quase 500 estudantes em cinco escolas, oferecendo saúde e assistência social. São realizados, em média, 50 mil atendimentos terapêuticos por ano e 3,5 mil por dia. Por ser uma instituição sem fins lucrativos precisa de apoio da sociedade. O ambiente precisa de reformas e para isso, que tal doar para a Apae Curitiba e apoiar a causa da pessoa com deficiência intelectual ou múltipla? É muito fácil, clique AQUI e saiba mais. 

Notícias Relacionadas

Benefícios gerais da atividade física no TEA

Descubra os benefícios da prática de atividades físicas para crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA), aprenda a superar desafios específicos e conheça as atividades mais recomendadas para essas crianças.

Sem mais notícias por enquanto!
Pular para o conteúdo