Notícias

Atividades físicas para mulheres com a síndrome do X Frágil

Adquirir hábitos saudáveis e praticar periodicamente alguma atividade física aumenta a qualidade de vida de qualquer pessoa. Isso inclui as mulheres com a síndrome do X-Frágil
Atividades físicas para mulheres com a síndrome do X Frágil
Redação Apae
Publicado em
Na imagem uma mulher corre num parque. Apenas aparece sua cintura para baixo. Ela está correndo.

Praticar atividades físicas é importante para a vida de qualquer pessoa, inclusive para aquelas com deficiência. Pensando nisso, o Instituto Buko Kaesemodel criou um projeto voltado para as mulheres com a síndrome do X-Frágil. Dentro do Projeto Bem-Estar do instituto é disponibilizado, gratuitamente, às mulheres cadastradas no Programa ‘Eu Digo X’, atividades físicas periódicas e orientadas pelos educadores físicos e personal trainers, Alessandra Fadel e Charles de Castro.

Os idealizadores do projeto afirmam que a grande maioria das mulheres acabam dedicando muito tempo à família e acabam esquecendo sua saúde física e emocional. “As sessões serão com exercícios de fácil execução com a possibilidade de evolução para atingir a todos os níveis de condicionamento das mães. Levarão em conta características e necessidades desta população exclusiva e poderão ser utilizados alguns materiais encontrados em casa como papel, peças de vestuário, cadeira. Disponibilizaremos também um material online contendo vídeos, fotos ou sugestões de exercícios que podem ser realizados no melhor momento das famílias, bem como repeti-los, quando quiser”, explica Alessandra ao instituto. 

Os encontros acontecem de forma semanal e online, o cadastro é realizado através do link: Cadastro. Para mais informações é necessário entrar em contato via telefone (41) 3156-0309, e-mail contato@institutobk.org.br ou pelas redes sociais.

A síndrome do X Frágil

A síndrome do X frágil é uma doença rara e hereditária causada por uma mutação no gene FRM1 (Fragile X Mental Retardation 1), localizado na extremidade do braço longo do cromossomo X. O Portal Drauzio Varella aponta que a síndrome afeta um a cada dois mil meninos e uma a cada quatro mil mulheres. Os meninos acabam tendo maior gravidade dos sintomas porque têm dois cromossomos X, um do pai e outro da mãe. Em caso de um ser afetado, o outro compensa a alteração.

A doença, apesar de ser bastante comum, ainda é pouco diagnosticada, isso porque em muitos casos ela é silenciosa. As características envolvem comprometimento intelectual, atrasos na fala, ansiedade e comportamento hiperativo, irritabilidade, e até diferentes graus de retardo mental.

Até o momento, não se sabe nenhuma terapêutica que possa suprir a falta da proteína deficiente na síndrome do X frágil. Dessa forma, o tratamento se baseia em um trabalho multidisciplinar, com intervenções de pediatra, neurologista, psiquiatra, fonoaudiólogo, psicoterapeuta, pedagogo e terapeuta ocupacional, entre outros. 

Outro aliado para redução dos sintomas é o exercício físico. Adquirir hábitos saudáveis e praticar periodicamente alguma atividade física aumenta a qualidade de vida de qualquer pessoa. E para essa síndrome, praticar exercício físico irá ajudar no aumento da produção de serotonina. 

Quanto maior a liberação desse hormônio maior é a proliferação de células no hipocampo, propondo um fortalecimento dos neurônios que resultarão em melhores condições e diminuição dos sintomas que essa doença causa como, irritabilidade, insônia, menopausa precoce – em caso de mulheres –, dores musculares.

A Apae Curitiba

Aluno da Apae Curitiba. Ele está no centro da imagem, olhando para a câmera. Está com uma camisa laranja e usando um chapéu caipira. Ele tem síndrome de Down.
Foto: Arquivo Apae

A Apae Curitiba surgiu com a finalidade de promover e articular ações de defesa de direitos, prevenção, orientações, prestação de serviços e apoio às famílias as pessoas com deficiência intelectual ou múltipla.

É mantenedora de cinco escolas especializadas no atendimento à pessoa com deficiência intelectual ou múltipla. A instituição também conta com três centros terapêuticos que oferecem atendimentos à saúde. Atua em três pilares – educação, saúde e assistência social.

Doe: apaecuritiba.colabore.org/doeapae
Faça um PIX: doe@apaecuritiba.org.br (Chave)
Seja um Voluntário

 

Notícias Relacionadas

Sem mais notícias por enquanto!
Skip to content